Flinpo
Utilizador: Palavra-passe:
Ainda não se registou? Registe-se
Esqueceu-se da palavra-passe? Recupere-a
Login
Destaque Destaque
Desafio: Capa FMagazine #24

 

Desafio do mês Desafio do mês

Tema #042
Desilusão

Fotografias que mostrem a nossa desilusão, a desilusão de alguém ou perante um qualquer acontecimento.

Para participar no desafio, tem que estar registado e autenticado.

Número de participantes: 9

Desafio da semana Desafio da semana

Tema #420
Mesa

Fotografias que retratem uma mesa.

Para participar no desafio, tem que estar registado e autenticado.

Participação aguarda validação.

008:A ver o mar
por anabatista 

007:natureza morta com quadro
por Alfredo

006:Mesa cozinha Mosteiro Alcobaç
por amelia

005:Mesa de Outono
por Mario Teixeira Gomes

004:A Mesa Junto ao Lago
por paulonvalves

003:a mesa
por fcondeco

002:Banquete
por Manu

001:a mesa e valter hugo mãe
por josemgpereira

 

Próximo Desafio Próximos desafios

Quer saber qual será o tema dos próximos desafios?

Para o ficar a saber, tem que estar registado e autenticado.

 

Parceria Parcerias

fotopointpt

Topo

Exposição: “Na ponta dos dedos” Exposição: “Na ponta dos dedos”

Publicado em 2018-08-06 por Flinpo   |   Divulgação   |   Sem Comentários

Em votação Votação Semanal

Tema #419
Não posso viver sem...

(Em votação até 2018-10-28)

Até ao próximo dia 30 de Setembro de 2018, está patente no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, a exposição de fotográfica “Na ponta dos dedos” da autoria de Luís Pavão.

Ao longo de seis meses, entre Junho e Dezembro de 2016, o fotógrafo Luís Pavão registou os trabalhos de limpeza e de restauro do Padrão dos Descobrimentos. Desse registo, resultou um conjunto de fotografias de grandes planos dos protagonistas da Expansão Portuguesa. À distância de um braço, da perspetiva do andaime, descobrem-se, na luz do dia filtrada pelas esteiras ou na luz artificial das sessões noturnas, múltiplos detalhes.

Esta exposição é também oportunidade para conhecer melhor a história do Padrão dos Descobrimentos. Construído pela primeira vez em 1940 em gesso e argamassa, como parte do cenário da Exposição do Mundo Português, foi destruído pelo vendaval de Janeiro de 1941. Vinte anos volvidos, no contexto das Comemorações Henriquinas, volta a ser construído de acordo com os planos originais, agora com a orientação do Arquiteto António Pardal Monteiro (1928-2012), suportado por uma estrutura de betão armado da responsabilidade do Engenheiro Edgar Cardoso (1913-2000), e as esculturas de Leopoldo de Almeida em calcário de Sintra.

 

Partilhe: Partilhe

Comentários Comentários   |   + Comentar

Sem comentários

+ Comentar

Anterior | Início | Seguinte

Topo

Para todos aqueles que gostam de desafios fotográficos.
Flinpo 2010 - 2018 © Flinpo     Endereço de correio electrónico correio@flinpo.net