Flinpo
Utilizador: Palavra-passe:
Ainda não se registou? Registe-se
Esqueceu-se da palavra-passe? Recupere-a
Login
Destaque Destaque
Desafio: Capa FMagazine #29

 

Desafio do mês Desafio do mês

Tema #063
Húmido e selvagem

Fotografias que retratem um ambiente húmido e selvagem.

Para participar no desafio, tem que estar registado e autenticado.

Número de participantes: 3

Desafio da semana Desafio da semana

Tema #508
Gelo

Fotografias que retratem qualquer tipo de gelo.
Tema vencedor do «Tu é que escolhes» com 53.3% dos votos.

Para participar no desafio, tem que estar registado e autenticado.

Participação aguarda validação.

017:Gelo ao sol
por joaotome 

016:Detalhe de uma manhã d invern
por Adalberto

015:Limonada com gelo
por anabatista

014:Ice ...
por JoaoReis

013:Escultura de gelo
por Ana Lúcia

012:Pedrinhas coloridas
por remus

011:Sob o gelo
por CFreitas

010:Quarto de gelo- Lapónia
por Manu

009:Kiruna, Lapónia, Suécia
por Mario Teixeira Gomes

008:Frozen
por paulonvalves

007:O gelo do glaciar
por Isabel G. Silva

006:Frio na Serra da Estrela
por Santa Clara

005:Dentro de um glaciar
por Ana Simões

004:Gelo nórdico
por fcondeco

003:Gelo
por VAA

002:No copo
por amelia

001:Gelo da Patagonia
por Suzana

 

Próximo Desafio Próximos desafios

Quer saber qual será o tema dos próximos desafios?

Para o ficar a saber, tem que estar registado e autenticado.

 

Topo

Rituais do ver Rituais do ver

Publicado em 2018-02-14 por Flinpo   |   Notícias   |   Sem Comentários

Em votação Votação Semanal

Tema #507
Tampa de saneamento

(Em votação até 2020-07-05)

“Rituais do ver”

de Fátima Carvalho


Exposição no CPF-Centro Português de Fotografia

Porto

Até 18 Março de 2018.

 

Esta mostra revela um dos temas mais actuais da fotografia de hoje. Ao fixar o comportamento do público frente a uma oferta institucional, em locais específicos da circulação da cultura, insere-nos num dos problemas a resolver pela sociedade contemporânea, a procura da identidade pessoal.

Fátima Carvalho conhece bem o ato de fotografar, sabe insinuar distâncias, ponto de vista, enquadramentos do todo ou das partes e, acima de tudo, o milésimo de segundo do corte, o momento em que se encena a magia de um diálogo com a obra. E, bem o sabemos, a imagem fotográfica vale mais pelo seu polo poético do que uma qualquer estética.
O que vemos são situações que significam comportamentos do corpo, inconscientes ou reprogramados pelo social: a atenção que exige um endurecimento do tronco e uma breve orientação do olhar, a entrega pela sedução , - os braços caídos e a imponderabilidade física -, a surpresa incontrolada, a pesquisa partilhada pelo grupo, enfim, situações onde invariáveis ou invariáveis do comportamento se revelam com toda a clareza nestas imagens aparentemente limpas e claras.
Observamos então como das atitudes, nomeadamente a atenção direcionada aprendida como comportamento numa galeria, (e mesmo aí há o corte com a solenidade do lugar cultural, a imagem do homem com o cão alheado desse mundo), se passa aos comportamentos inconscientes que revelam a emoção. A emoção é o que se pode fotografar, pois é pública, irrompe para gerir a situação do que se olha, cria a intencionalidade da perceção e mantém-se nela para garantir a aprendizagem e a sua memória. Na memória não guardamos a adequação do corpo à atenção, mas apenas as sensações informativas e o estado do corpo. E esse estado do corpo é tangível pela imagem fotográfica e interpretado como emoção mesmo quando já se enreda no perceção: a jovem que leva as mãos à cabeça, a partilha da pesquisa pelas escolares, o reconhecimento de um detalhe, semelhando uma vitória da confirmação com o apontar sorridente de um indicador, a estranheza da imagem do quarto vazio atravessado pelo fio de luz elétrica não é só da observadora, é também nossa.
Traduzir a sedução pode ser, e é-o nos “Rituais do Ver”, uma outra sedução. Em fotografia implica mostrar significados sem perder a magia dos significantes, da indeterminação que abre todas as janelas do sentir.Fátima Carvalho diz-nos que os rituais do ver são universais mas também diferentes em cada um, mas a poética que os revela é só mesmo sua.

Maria do Carmo Serén

Ver também:
https://www.facebook.com/Fatima-Carvalho-Fotografia-704217443005890/


Informação adicional:
A exposição também esteve patente na Casa-Museu Abel Salazar:
https://noticias.up.pt/fotografia-de-fatima-carvalho-em-exposicao-na-cmas/




 

Partilhe: Partilhe

Comentários Comentários   |   + Comentar

Sem comentários

+ Comentar

Anterior | Início | Seguinte

Topo

Para todos aqueles que gostam de desafios fotográficos.
Flinpo 2010 - 2019 © Flinpo     Endereço de correio electrónico correio@flinpo.net